Número total de visualizações de página

26/04/11

<< Dá-me Guitarra >>

Foi presunção nossa ? Talvez ...
Passar por esta contrariedade
Sem remoer nos "porquês"
E mantendo alguma vaidade .

Será culpa tua ? Jamais ...
O guião já tinha sido escrito
E neste mar de vendavais
Nunca te ouvimos um grito .

Se isto faz sentido ? Sei lá ...
A incerteza não nos conforta ,
Mas o que a vida nos dá
Não é a única coisa que importa .

Amanhã será melhor ? É irrelevante ...
Agarrar-me-ei esta madrugada
A algo insignificante ,
Que me manterá motivada .

Da tua perda , já sei o sabor
E já chorei toda a nossa saudade ,
Ao despedir-me , pedi um favor ...
Volta p'ra nós e volta de verdade .

Não quero ficar a sós
Com este amor que nos amarra .
Acompanha a minha voz
E dá-me guitarra .

Já nos vejo renascidos
Numa azáfama tranquilizadora ,
Com projectos enriquecidos
E a tua mente mais sonhadora .

Os afectos , mais frequentes
E bem próximos do que eu sonhara .
Os receios ? Estarão ausentes .
A ferida doi , mas também sara .

Da tua perda , já sei o sabor
E já chorei toda a nossa saudade ,
Ao despedir-me , pedi um favor ...
Volta p'ra nós e volta de verdade .

Não quero ficar a sós
Com este amor que nos amarra .
Acompanha a minha voz
E dá-me guitarra .

Sem comentários:

Enviar um comentário

«chorar rios, sorrir mares.»
a escrita mantém-me viva ...